Acompanhantes participam de atividades no setor de Hemodiálise do Hospital da Transamazônica GC

34

Todas as segundas, quartas e sextas-feiras, Edson Ramos da Silva, 38 anos, e Maria de Fátima da Costa, 60, têm um compromisso marcado: eles vão até o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira, no sudoeste do Pará, como acompanhantes de usuários que passam por sessões de Hemodiálise na unidade. Ao lado de outros acompanhantes, passam cerca de quatro horas do seu dia aguardando os pacientes saírem do tratamento. Mas o que fazer durante esse tempo todo de espera?

O setor de Nefrologia do HRPT achou a solução. Desde o mês de julho, o projeto ‘Orientações e ações do serviço de Nutrição  e Psicologia aos acompanhantes dos usuários de Hemodiálise’ ajuda a aproveitar melhor o tempo que os acompanhantes ficam na unidade, promovendo atividades de aprendizado.

A ação mais recente contou com rodas de conversa com os que lá estão para dar apoio aos pacientes: foram utilizadas imagens, que serviram de temas para bate-papos. A atividade foi aprovada pelos participantes.

“Eu vi com muito bons olhos. Foi uma ação bem legal: serviu para a nossa descontração e também para o aprendizado. Muita coisa que a gente não sabia sobre saúde foi abordada, e essa é uma área muito importante na nossa vida. Além disso, nós fazemos amizades. A gente conversa com os outros acompanhantes para passar o tempo”, afirma Edson Ramos da Silva.

“É muito válido. Inclusive, as figuras que foram utilizadas ressaltaram a atenção e o cuidado. A gente passa um bom tempo aqui e eu gostei muito. É bom para socializar com os companheiros aqui, com os colaboradores também”, ressalta Maria de Fátima da Costa.

O projeto

As atividades ocorrem duas vezes ao mês. Uma é realizada com os acompanhantes dos usuários que procuram o HRPT às segundas, quartas e sextas-feiras. Outra, com os que procuram o hospital às terças, quintas-feiras e sábados – sempre no período da tarde. Estão programadas, além do bate-papo, outras ações como oficinas de culinária, caça-palavras, palestras e filmes. O projeto começou em julho e segue até dezembro deste ano.

“Na última atividade, nosso objetivo foi ressaltar com eles [acompanhantes] a importância do cuidado, através de fotos e do bate-papo. Além disso, fazemos com que o tempo deles não fique tão ocioso. Porque eles podem aprender com a gente enquanto estamos aqui’, explica a psicóloga do setor de nefrologia, Wania Paula da Costa. ‘A ação seguirá com cursos. Pretendemos até trazer um curso de culinária, porque trabalhamos muito com a dieta dos pacientes”.

O Hospital Regional Público da Transamazônica é o único a oferecer o serviço de hemodiálise na Região de Integração do Xingu – que engloba os municípios de Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Pacajá, Porto de Moz, Senador José Porfírio, Uruará e Vitória do Xingu. A unidade é referência em saúde para os habitantes destas nove cidades.

Este projeto reafirma um dos valores da Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, gestora da unidade por meio de contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa): o da criação e aperfeiçoamento constantes de produtos e serviços, sempre considerando e visando a satisfação dos clientes internos e externos.

Por Gustavo Campos

SHARE