Pará já conta com mais de 1.500 quilômetros de infovias de fibra óptica

Pará já conta com mais de 1.500 quilômetros de infovias de fibra óptica Destaque

Uma das metas estabelecidas pelo Governo do Estado é implantar 1.500 km de fibra óptica, durante os quatro anos de gestão. E com a execução das infovias por parte da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa) o número já alcançou um total de 1.177 quilômetros de fibra óptica, em três anos. Faltam apenas 322 quilômetros para fechar essa meta em 2018. Somados às infovias implantadas anteriormente, a rede corporativa do Governo do Estado já conta com 1.505 quilômetros. Projetos que iniciaram em 2016 foram entregues este ano, como o Xingu Conectado, na região do Xingu; o projeto do Banpará, que permitiu a conexão dos municípios ao longo da Belém-Brasíia, atendendo diversos municípios novos com infraestrutura em fibra óptica ou melhorando a qualidade de conexão de alguns deles que já estavam conectados em rádio e hoje se encontram em utilização plena desse link de fibra. Em 2017, foram implantadas as infovias do Plano de Desenvolvimento Sustentável do Xingu (PDRS-X), por meio do Projeto “Xingu Conectado", totalizando mais de 330 km de infovias que cruzam a Amazônia, interligando a rede Corporativa do Governo do Estado do Pará (GEPA) aos municípios de Vitória do Xingu, Brasil Novo, Medicilândia, Uruará, Placas, Anapu e Senador José Porfírio. “Isso abre oportunidade para que em 2018 esta infraestrutura possa aumentar mais ainda, ou capilarizar esses pontos de presença em cima de secretarias de estado ou órgão de governo, até de outras esferas de poder, promovendo a aproximação da sociedade às políticas públicas através de serviços eletrônicos de governo. A infraestrutura é pública, e tem como objetivo principal levar melhor forma de comunicação com pontos de presença governamentais, não apenas do Estado”, acredita o presidente da Prodepa, Theo Pires. Mais recentemente, em dezembro do ano passado, foram entregues as Redes Metropolitanas de Bragança, Cametá e Salinópolis, somando mais 19,95 quilômetros de fibra óptica à Rede de Comunicação de Dados Corporativa do Estado. A expectativa é que a entrega da última milha em fibra óptica, além de aumentar a qualidade do sinal, também aumente a permanência desse sinal ativo. Hoje, o modus operandi, através de rádio, na entrega do sinal em última milha, ligando os pontos dentro de uma cidade digital através de rádio, enfrenta diversos problemas, várias situações que interrompem o sinal, seja na arborização da cidade como uma copa de árvore que interrompe o sinal, seja na construção de algum tipo de obstáculo que também impede a comunicação do sinal, ou até mesmo um vento que desalinha a antena e provoca a perda dessa conexão. “Quando se estabiliza esta conexão em fibra óptica, se aumenta a capacidade de entrega, aumenta a qualidade do sinal e diminui a quantidade de interrupção do sinal. A infraestrutura que existe em rádio de alta capacidade permite o aumento dessa banda entrega em última milha”, explica Theo. As cidades digitais em fibras ópticas devem melhorar muito o funcionamento da rede corporativa do governo do Estado. E os municípios do nordeste, principalmente Bragança, Salinópolis, já têm uma capilaridade muito grande de pontos de presença, não só de órgãos estaduais, como por exemplo, universidades. O uso dessa fibra vai beneficiar esses pontos de presença localizados nessas cidades, além de permitir o uso da infraestrutura para o acesso público do Navegapará, em pontos conhecidos de turismo como Salinas e Bragança, que tem uma quantidade muito grande de pessoas que utilizam o wi-fi disponibilizado pelo Governo do Estado dentro desses municípios. Os municípios de Benevides e Vigia já estão na fase de conclusão de suas redes metropolitanas. Para o presidente da Prodepa, o uso das tecnologias vai viabilizar a chegada do estado às cidades mais distantes da capital, principalmente quando se tem a implantação do núcleo de governo em Marabá, que também vai oferecer ações específicas para a região sul do estado focadas nas necessidades da população que lá reside; e já se preparando para a chegada do núcleo de governo em Santarém no início de 2018, com ações específicas dentro do oeste do Pará. “A implantação de uma inteligência de TIC nesses núcleos de governo, que é responsabilidade da Prodepa, vai colocá-los a uma distância muito ínfima em relação à velocidade da luz. Os dois pontos estão conectados à Belém por fibra óptica. A geografia aí não importa. Tanto Marabá como Santarém, os dois primeiros núcleos de governo estarão ligados à Belém a velocidade da luz, facilitando e levando a possibilidade de interação, de conversa, de decisões imediatas", destaca. Por Nátia Machado

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.