Para conter gastos, prefeito de Altamira reduz o próprio salário

2573

“Nós precisamos manter o equilíbrio financeiro da folha de pagamento da prefeitura, mas não vamos reduzir os salários de ninguém”, a frase é do prefeito de Altamira, Domingos Juvenil (PMDB), ao anunciar cortes nos gastos públicos. A crise financeira chegou à região, e para evitar um colapso na economia do município, o prefeito reduziu o próprio salário, medida tomada em conjunto com o vice, e os secretários, que também serão afetados com redução de 20% em seus vencimentos, gerando uma economia de R$ 300 mil reais mensal.

O efeito cascata da crise econômica era inevitável. O que começa em Brasília (DF), e não se resolve por lá, fatalmente chega a todos os estados brasileiros. Sem conseguir por um fim a crise política no país, o governo não administra, e o Brasil para. Apesar do período de forte arrecadação e geração de emprego, o cenário nacional mudou, e o que antes se refletia em recursos para investir em saúde, educação, e obras, agora terá um único destino, manter a máquina funcionando. A ordem é evitar gastos desnecessários e enxugar a máquina.

Na região, a crise chegou em menor proporção, mas já é realidade, e antes que seja preciso tomar medidas drásticas, o prefeito resolveu agir. Em coletiva à imprensa, Domingos Juvenil negou a redução de salários dos servidores, e garantiu que direitos adquiridos serão respeitados. “o que nós queremos é que nesse momento todos tenham cautela, se não há necessidade de fazer horas extras, então que não faça; se não precisa comprar, então que não compre, nós temos que administrar com sabedoria”, declarou o prefeito, desmentindo rumores sobre cortes de salários.

A redução da arrecadação do município prejudicou a economia, o poder público vive dos impostos que recolhe, e com a proximidade de conclusão das obras da usina hidrelétrica Belo Monte, as prestadoras de serviço, que contratavam mão de obra, e movimentavam a economia local, foram embora, reduzindo drasticamente a arrecadação do ISS, o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza, criando um vácuo que pode levar anos para ser recuperado. Mas, apesar do cenário negativo, Altamira segue com os salários do funcionalismo em dia (caso raro na região, e no país), e acaba de pagar o piso nacional dos professores.

SHARE