Natal aquecido para vagas temporárias de emprego com a nova lei

0
26

O número de novas vagas de trabalho com carteira assinada chegou a 35.457 no mês de agosto, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o que fez de agosto o quinto mês seguido com mais vagas de trabalho formal abertas do que fechadas no Brasil. No acumulado do ano, entre os meses de janeiro e agosto, o saldo é de 163,4 mil novos postos, um aumento de 0,43% em relação ao estoque de dezembro de 2016.

Parte dessas vagas se refere aos contratos de trabalho temporários, que são mais frequentes no fim do ano em razão do Natal, data conhecida por ser a melhor de todas para o comércio. Com relação a estas, as perspectivas também são muito boas. De acordo com estudos realizados pela Associação Brasileira do Trabalho (ASSERTEM), a previsão para abertura de vagas temporárias, no final deste ano, é para contratação de 115 mil trabalhadores temporários, uma recuperação de 5,5% em relação ao ano anterior. No acumulado dos quatro meses que antecedem o Natal, a associação estima que voltem ao mercado de trabalho mais 374 mil trabalhadores temporários, ante 355 mil em 2016.

Neste ano, além do aquecimento do mercado, as contratações tiveram um bom impulso em razão da Nova Lei de Temporários, que permite a contratação por 180 dias, com possibilidade de prorrogação por mais 90 dias. “Além da antecipação das vagas, abertas a partir de junho, com essa extensão de prazo, os profissionais têm mais tempo para mostrar seu trabalho e isso aumenta muito a chance de serem efetivados depois de finalizado o contrato”, explica Fernando Medina, diretor de operações da Luandre.

A primeira leva de vagas foi uma demanda da indústria para aumentar a produção, uma vez que se prevê maior volume de vendas. Em seguida, os setores de logística e varejo abriram vagas, comenta Medina. Com isso, a Luandre já disponibilizou mais de 1.900 temporárias, de junho até agora, um aumento de 28,5% em relação ao ano passado. A agência ainda deve abrir mais 2.000 vagas até o fim do ano, e em especial lojas de varejo popular e de luxo devem trazer esta demanda. Segundo a ASSERTEM, a estimativa de contratações para o comércio é de 55% do total de contratações no último mês do ano, o que representará 63 mil trabalhadores empregados, principalmente em shoppings, supermercados e comércio de rua, nos cargos de atendente, assistente de credito, embalador, estoquista, etiquetador, caixa, fiscal de loja, promotor de vendas, repositor e vendedor.

Por Engaje!

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY