Deputado Carlos Bordalo chama o deputado Éder Mauro de fascista e matador na Alepa

62

deputados estaduais Carlos Bordalo (PT) e Éder Mauro (PSD) protagonizaram ontem(5), em Belém, uma grande discussão e xingamentos durante a reunião convocada pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) para entregar o relatório sobre a chacina na fazenda em Pau D’Arco, no sudeste do Pará, onde 10 agricultores foram mortos por Policiais Militares.

O deputado Carlos Bordalo, que preside a Comissão de Direitos Humanos da Alepa, foi à reunião para entregar a conclusão do relatório sobre a morte dos agricultores no dia 24 de maio. O deputado Éder Mauro rejeitou a entrega do relatório dizendo que “não existe um relatório aprovado pela Comissão” e que “existe um relatório gracioso apontado pelo Bordalo”.

No momento em que Carlos Bordalo deixava a reunião, Éder Mauro, inconformado, levantou-se da cadeira e passou a chamar o deputado petista de covarde e bandido.

“Tu és um covarde, tu és um covarde, tu és um covarde, bandido”, disse Éder Mauro, que ouviu Carlos Bordalo respondendo e o chamando de fascista e matador.

Após a discussão, o deputado do PSD permaneceu na sala de reunião, cobrando a permanência de Borlado na reunião para ouvir as outras versões do caso da chacina em Pau D’Arco.

“Ele disse que só iria ler o relatório e entregar para a deputada Elcione Barbalho e ir embora. Eu disse que não ia aceitar isso, porque ele tinha que estar lá para que pudesse ouvir inclusive as outras versões”, explicou.

O presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Alepa não retornou para a reunião e concedeu entrevista em seu gabinete. Carlos Bordalo disse que o momento é de ter serenidade diante do caso.

“As imagens falam por si. Eu fui andando e sendo agredido. Eu acho que é um momento que nós, homens públicos, temos que ter serenidade. Eu não estou condenando ninguém. Estou recolhendo elementos de testemunhos de sobreviventes”, concluiu. As informações são do G1.

SHARE