Centro de Estudos Ambientais da Norte Energia acolhe filhotes de cachorro-vinagre

85

Um casal de filhotes de cachorro-vinagre está recebendo cuidados da equipe de veterinários e técnicos do Centro de Estudos Ambientais (CEA) da Norte Energia desde o dia 22 de junho, quando foram encaminhados à empresa pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Considerados vulneráveis, sob risco de extinção, os animais foram encontrados pelos moradores de um sítio na área rural de Altamira e devem permanecer sob os cuidados da equipe veterinária da Norte Energia até estarem em condições de serem transportados para um novo lar, que será determinado pelo órgão federal.

Por não possuir recursos e equipe técnica especializada para tratamento, o Ibama os encaminhou ao CEA, centro de referência para o acolhimento, tratamento e destinação de animais resgatados na área de implantação da Usina Hidrelétrica Belo Monte, empreendimento da Norte Energia. De acordo com a veterinária da Norte Energia, Amanda Cruz, os animais chegaram no CEA saudáveis, porém, com um quadro de diarreia devido à má alimentação a que estavam submetidos, problema que já foi controlado. O macho pesa 1,7 kg e a fêmea 1,3 kg. Ambos foram vermifugados e estão sendo submetidos à exames clínicos periódicos e, em breve, receberão as primeiras doses de vacinas antivirais.

Em um prazo de cerca de 30 dias, os animais serão destinados à instituição indicada pelo Ibama. Até o momento, o Zoológico de Brasília, junto ao grupo de pesquisadores responsáveis pelo Plano de Ação Nacional para Conservação (PAN) do Cachorro-vinagre, projeto vinculado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), manifestaram interesse em acolher os filhotes.

O Speothos venaticus, nome científico do cachorro-vinagre, ocorre em quase todos os biomas brasileiros, com exceção da caatinga. Na região de Belo Monte, foi registrada a presença desses animais no período de resgate de fauna realizado nas áreas de implantação da usina e também em áreas de monitoramento da fauna. A espécie é considerada vulnerável sob o risco de extinção.

Desde o início de suas atividades, em 2011, O CEA recebeu 18 animais encaminhados pelo Ibama Regional de Altamira: duas aves e 16 mamíferos, dentre as quais seis espécies vulneráveis sob o risco de extinção. A maioria desses indivíduos foi destinada a instituições conservacionistas por se tratar de espécies que vivem em grupos, dificultando sua reintrodução na natureza. As informações são da Norte Energia.


SHARE