Campanha de vacinação contra gripe segue no Pará

88

Prorrogada até o dia 09 de junho, a 19ª Campanha de Vacinação contra a Influenza segue no Estado a fim de que todos os 144 municípios consigam atingir a meta mínima de 90% de vacinados.  A mobilização começou em todo o país no dia 17 de abril.

Até às 12 horas desta quinta-feira, (1), foram vacinadas 957.490 mil pessoas no Pará, segundo dados constantemente atualizados pelo vacinômetro do Ministério da Saúde, disponível para consulta pública pelo link (http://sipni.datasus.gov.br/si-pni-web/faces/relatorio/consolidado/vacinometroInfluenza.jsf).

No chamado vacinômetro, o internauta pode consultar o número de pessoas vacinadas e classificadas entre os grupos prioritários. Pelos dados, 64% da meta foi atingida no Pará. Esse percentual cresce a todo momento na medida em que os municípios forem lançando as doses no sistema on line mantido pelo PNI. Em nível nacional, a campanha já ultrapassou os 75%.

Segundo informe técnico da Divisão de Imunizações da Sespa, o Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde enviou ao Estado 1.863.160 milhão de doses da vacina, que já foram distribuídas pela Sespa aos 13 Centros Regionais de Saúde, os quais repassaram as doses aos municípios – que são, na prática, executores da ação.

A recomendação é que devem ser imunizados os que estiverem nos grupos mais vulneráveis às gripes, como as grávidas em qualquer período gestacional, crianças com idade entre seis meses e menores de 5 anos, trabalhadores de saúde das áreas pública e privada, pessoas com mais de 60 anos, povos indígenas aldeados, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que cumprem medidas socioeducativas e detentos, além de funcionários do sistema penitenciário.

Também devem ser vacinadas as mulheres que tiveram bebês até 45 dias, as denominadas puérperas, e os que possuem comorbidades comprovadas por laudo médico, como doenças crônicas respiratórias, do coração, com baixa imunidade, entre outras.  A novidade da campanha de 2017 inclui a vacinação dos professores, tanto da rede pública e privada, dos níveis fundamental, médio e superior. “Esta ação tem como objetivo reduzir o risco da influenza para outras pessoas na escola”, recomenda a nota técnica da Sespa.

Dos grupos prioritários, a categoria mais imunizada no Pará foi a de pessoas com mais de 60 anos, com 74%, seguida por trabalhadores da saúde e indígenas (ambos com 74%), mulheres pós-parto (70%), gestantes (57%) e crianças, com apenas 52%. Até o momento, o sistema do PNI ainda não lançou os dados correspondentes aos professores vacinados.

Entre os 13 municípios considerados estratégicos do Pará, por sediarem os Centros Regionais de Saúde, somente Santa Isabel do Pará ultrapassou a meta ao alcançar 95% da população prioritária vacinada. Os demais 12 ainda correm pra atingir os 90%, como Belém, ainda com 52%; Castanhal (51%); Capanema (81%); São Miguel do Guamá (80%), Barcarena (79%), Soure (87%), Breves (42%), Santarém (60%), Altamira (54%), Marabá (49%), Conceição do Araguaia (71%) e Cametá (79%).

Como ocorre em toda campanha, os municípios são responsáveis pela aplicação das vacinas, ou seja, cada Secretaria Municipal de Saúde possui livre arbítrio para executar a estratégia de vacinação para o público indicado a receber a dose. De um modo geral, as doses estão disponíveis em qualquer Unidade Básica de Saúde, nas salas das Estratégias de Saúde da Família e em outros locais definidos pelas gestões municipais.

Conforme explica a nota técnica, a vacina em questão é importante porque evita algumas complicações causadas pelo vírus influenza, como pneumonia e doenças cardíacas. Assim, ao tomar a vacina, a pessoa não se protege apenas contra a gripe, mas evita quadros mais graves relacionados com hospitalização e morte.

O informe também lembra que a vacina só é contraindicada para pessoas com histórico de reação anafilática prévia em doses anteriores ou que tenham alergia grave a ovo de galinha e seus derivados. Outra recomendação importante do Ministério da Saúde: as  pessoas que tomaram vacina no ano passado, devem repetir o esquema esse ano, pois a ação da vacina contra a gripe leva duas semanas para funcionar e dura cerca de 9 meses. A reaplicação é necessária porque a vacina oferecida em 2017 é diferente e resguarda o organismo contra outras mutações do vírus.

Orientadora da campanha no Pará, a Sespa recomenda que os profissionais das secretarias municipais de Saúde se empenhem em convencer a população a aderir à vacinação. No Estado são 2.300 postos de vacinação fixos, além de 340 volantes e 75 fluviais, com 20.350 pessoas envolvidas, incluindo 2.010 equipes de vacinação. A campanha tem envolvido 550 carros, 25 barcos, 12 voadeiras e 25 motocicletas.

Por Mozart Lira

SHARE